Revitalização da margens do Arroio Itaquarinchim – Parque Urbano da Cascata

REVITALIZAÇÃO DAS MARGENS DO ARROIO ITAQUARINCHIM

Parque Urbano da Cascata

Neste trabalho é abordada a importância sócio-espacial da revitalização das margens do Arroio Itaquarinchim e a criação de um parque urbano para a cidade de Santo Ângelo-RS. A proposta surgiu a partir da observação da carência da cidade em relação aos espaços públicos de lazer, esporte e convívio em meio à natureza. O local escolhido para o desenvolvimento do projeto é de grande importância para a cidade, além da relevância histórica e participação no desenvolvimento do município, o Arroio Itaquarinchim é responsável por 30% do abastecimento de água da cidade. Contextualmente Santo Ângelo teve três importantes períodos, todos marcados pelo protagonismo do Arroio. A implantação da antiga Redução Jesuítica de Santo Ângelo Custódio fundada em 1706 e seu posterior período de abandono, cerca de cem anos, o repovoamento da região e a criação da Vila de Santo Ângelo, com a implantação das primeiras industrias as margens do arroio e o crescimento rápido da cidade que deu origem a atual situação. Hoje grande parte da mata ciliar se perdeu, as águas correntes se tornaram improprias para banho e apesar da implantação de políticas públicas voltadas a preservação das áreas verdes, o arroio ainda recebe dejetos industriais e residências. A subutilização dos espaços próximos, abre precedentes para o descarte de lixo, implantação de loteamentos irregulares e desmatamento. A proposta de revitalização tem a finalidade de proporcionar uma nova chance a estes espaços, resgatar o vínculo dos santoangelenses com o Itaquarinchim e dar uso e visibilidade as áreas verdes. A proposta passa por um processo de criação de um plano setorial especifico para as áreas verdes urbanas, que abrange não só as APPs mas também as praças e avenidas da cidade. A partir da criação do plano, são desenvolvidas diretrizes gerais de utilização das margens, e posteriormente diretrizes especificas dentro das cinco zonas de delimitação do projeto, cada zona apresenta suas peculiaridades, com fragilidades e potencialidades tratadas uma a uma. São os chamados “cinco parques”, cada um representado conceitualmente por uma roda, tendo entre suas diretrizes especificas melhorias na infraestrutura, geração de emprego e utilização de materiais recicláveis. Os cinco parques cortam a cidade de norte a sul, iniciando pela área industrial, passando pela área histórica, residencial e chegando a ERS-344, um dos principais acessos da cidade. Nesse ponto é implantado o Parque 5 – O Parque Urbano da cascata, que possui uma queda de água de cerca de 15 metros. Este parque é trabalhado na fase de projeto, serve como um ponto de partida para a estruturação dos outros quatro parques. Para esse parque foram desenvolvidos levantamentos sobre a área e o entorno, sobre a utilização dos espaços, a renda dos moradores locais e suas principais atividades. A partir desses estudos foi elaborado o programa de necessidades do projeto que conta com um centro de triagem e reciclagem de plástico, áreas de lazer, preservação e relocação de famílias para local próximo.

Deixe seu comentário


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/premioiabrs/www/wp-includes/functions.php on line 3783

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/premioiabrs/www/wp-includes/functions.php on line 3783