Lotes verticais: uma investigação sobre habitações transitórias para centros urbanos

Este projeto é uma investigação. É um ensaio sobre sobre habitações mínimas, criatividade e inovação aliada à tecnologia da pré-fabricação e sustentabilidade. As habitações neste estudo são entendidas como transitórias, e não visam o ideal de lar e permanência, e as cidades atuais são locais ideais para a implementação deste sistema. Embora possivelmente o futuro se desenvolva nas cidades – dado seu dinamismo e o crescente aumento da população mundial – é muito difícil dizer como será esse futuro. No que tange a arquitetura, vinculado a uma nova tendência das grandes cidades, percebe-se uma mudança social em que as pessoas têm cada vez menos necessidade de espaço. Habitações mínimas, transitórias e temporárias entram em pauta para suprir essa demanda e necessidade da cidade, que está sufocada e densificada, com poucos lotes disponíveis, principalmente nas áreas centrais, nas quais cada metro quadrado de lote tradicional é reivindicado e utilizado, ainda que existam uma quantidade abundante de “lotes verticais” ociosos.
Lotes verticais são as fachadas laterais cegas dos edifícios que emergem à medida que novos empreendimentos surgem e desaparecem; um lado não pensado do edifício, que por não possuir uma função, são subutilizados como canal da propaganda. No total, as empenas cegas compõem muitos metros quadrados de “terra” disponível. Uma opção interessante é o uso da arquitetura parasita para “adicionar” aos lotes verticais objetos arquitetônicos de pequena escala e desenvolver funções antes inexistentes. Ao receberem estruturas flexíveis, temporárias ou permanentes, que redefinem e reconfiguram a estrutura construída, os lotes verticais fornecem nova perspectiva, oferendo um novo espaço funcional à cidade.
Aliada as altas densidades construtivas dos centros urbanos e a recente demanda por habitações transitórias – cenário comuns às metrópoles e grandes cidades mundiais – o projeto propõe um sistema modular e universal, cuja relevância tange o espectro local e global. O sistema apresenta módulos que, ao se encaixarem ao sistema de circulação adjacente engastado à empena cega, possibilitam habitações para aqueles que estão somente de passagem ou à trabalho nas regiões centrais, melhorando a qualidade de vida desses nômades urbanos e da cidade. Como contexto-chave para aplicação do sistema, foi elecado o centro histórico de Porto Alegre. A região central da capital apresenta aspectos morfológicos e tipológicos adequados à implementação do sistema. Por mais que seja o sexto bairro mais populoso e o terceiro em densidade, a região central de Porto Alegre ainda é vista como um local de passagem: estima-se que mais de 400 mil pessoas circulem pelo local todos os dias, mas poucas ali permanecem. O sistema foi implementado em duas edificações sobrepondo, respectivamente, 1000m2 e 850m2 de lotes verticias livres com até 60 e 42 habitações transitórias disponíveis para a cidade.

Deixe seu comentário


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/premioiabrs/www/wp-includes/functions.php on line 3783

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/premioiabrs/www/wp-includes/functions.php on line 3783